16 junho 2009

deixem a Amélie Poulain em paz

eu sou 1 gaja tolerante. mas hoje fui dar a 1 blog. rai's parta.
juro que pensei num sistema de castas que se aplicasse à blogosfera.
estou velha. tenho cada vez menos paciência aka sentimento de solidariedade com pessoas que não me dizem 1 pentelho. não vou identificar o blog. claro. já tenho algum juízo. Mas puta que pariu a conversa sobre borboletas e as interpretações acéfalas sobre a Amélie Poulain. e eu gosto da Amélie Poulain. para que conste.
é por causa de mulheres que têm blogs destes que as mulheres que não têm blogs destes ainda têm que aturar o conceito de mulher em oposição ao verdadeiro e único conceito sobre a humanidade: O HOMEM.
eu dou 1 conselho e de graça a essas floribellas (que eu nem sei como se escreve nem vou dar ao trabalho de procurar que ainda me aparece uma daquelas imagens com saias de tule):

1.levante-se e faça o pequeno-almoço ao seu príncipe se gostar MESMO de fazer o pequeno-almoço. se não gostar ele que o faça. se nem 1 coisa nem outra desçam à pastelaria.
2.não tenha medo de ser mais esperta que o seu príncipe e/ou mais burrinha que ele.
3.não faça de conta que está a fazer amor e que lhe vai dar o achaque. faça aka foda mesmo.
4.e por último. ame mesmo o seu príncipe. não ame a ideia de ser princesa e borboleta de anel e vestido de noiva com flores de laranjeira no cabelo. e casa e filhos. e portanto vida feita. ufa ufa. já posso descansar.

isso não é gostar de 1 homem aka pessoa. isso é gostar de si porque nem sabe quem é porque é só 1 oposição a 1 homem aka pessoa. só 1 tipo muito burro é que cai nessa esparrela. mas vai com sorte.

eu para mim tenho que no amor não há géneros nem contos de fadas. tenho para mim que o amor é como 1 beleza negativa. é em bruto. sem distorções sociológicas e outras lógicas. e fico fodida. eu. uma gaja bruta de tão romântica. de ter que apanhar com estas borboletas que amam por oposição a novelas e ao romeu e julieta do Leonardo di Caprio (que também não sei como se escreve nem me apetece saber). porque se lessem Shakespeare não se andavam a babar como andam.

e tenho pena que a Amélie Poulain que é tão linda e tão esperta caia nas cabeças de mulheres tão mal intencionadas. tão egóticas. tão direccionadas para 1 coisa que não é. não pode ser. o amor.

p.s. a Amélie Poulain também não se importaria que eu escrevesse palavrões. sabe que moro em braga. e sabe que é 1 atitude e não 1 deselegância. e se os digo é porque sei que os posso e quero dizer. e isso é meio caminho andado para lá chegar. a esse sítio. o do amor. quem diria hã? que a palavra caralho pode ser a solução hã? por exemplo.

6 comentários:

MADRUGADA... disse...

Não tens o direito de me "partires" os abdominais só por me fazeres rir. :))

genital apoteótico disse...

Aka é a palavra do dia :)

sandra andrade disse...

pfff
fiquei mesmo lixada com este blog.
se é homem tenha medo. tenha muito medo destas floribellas. chiça. se eu fosse homem sei muito bem o que lhes fazia... irra que não há pachorra

Camille La Fille disse...

É bem verdade, que ás vezes vou dar com cada um regado a flores e orvalho que são puros ultrajes. Gajas.

Inês Leitão disse...

cara Sandra:
Precisamos saber rapidamente o nome desse blogue. Torna-se necessário tomar medidas.

sandra andrade disse...

camille e inês:
é deixá-las estar.
assim elas absorvem as pessoas que não interessam ;)